7 de janeiro – São Luciano

Luciano de Antioquia (ca. 240–7 de janeiro de 312), conhecido também como Luciano, o mártir, foi um presbítero cristão, um teólogo e um mártir. Ele era conhecido tanto por sua erudição quanto por piedade ascética.

De acordo com a Suda (enciclopédia bizantina), Luciano nasceu em Samósata, capital do reino de Comagena (Síria), de pais cristãos, e foi educado na vizinha cidade de Edessa, Mesopotâmia, na escola de um certo Macário. Porém, esta tradição pode ser derivada de uma mistura com a história de seu famoso homônimo, Luciano de Samósata, o sátiro pagão do século II A.D.

Em Antioquia, Luciano foi ordenado presbítero. Eusébio de Cesareia destaca sua erudição teológica e a Vita de Luciano (escrita após 327) reporta que ele fundou uma Didaskaleion, uma escola. Estudiosos seguindo Adolf von Harnack entendem que ele foi o primeiro reitor da Escola de Antioquia, com ligações com os teólogos posteriores Diodoro de Tarso e Teodoro de Mopsuéstia, mas esta alegação não está relatada em nenhuma fonte sobrevivente.

Após a deposição do bispo de Antioquia Paulo de Samósata, ele se tornou suspeito de heresia e foi excomungado. De acordo com Alexandre de Alexandria, ele continuou cismático durante os episcopados de três bispos, Domno I, Timeu e Cirilo I, cujas administrações se estenderam de 268 até 303. Luciano se reconciliou com a Igreja ou no início do episcopado de Cirilo (talvez por volta de 285), o que parece mais provável, ou sob o sucessor de Cirilo, Tirânio.

Durante a perseguição de Maximino Daia, Luciano foi preso em Antioquia e enviado à Nicomédia, onde ele suportou diversas torturas por mais de nove anos de prisão. Ele foi duas vezes levado para exame e em ambas se defendeu habilmente e recusou-se a renunciar à sua fé cristã.

Sua morte é incerta. Pode ter sido resultado de inanição. Outra possibilidade, mais provável, é que ele tenha sido decapitado. A data tradicionalmente atribuída para sua execução é 7 de janeiro de 312, na Nicomédia. Há uma tradição mais recente e de origem incerta de que ele foi afogado no mar e que seu corpo teria retornado à terra com a ajuda de um golfinho.

Ele foi enterrado em Drépano, no golfo da Nicomédia, que depois foi renomeada Helenópolis para honrar Santa Helena, mãe de Constantino, o grande.

Ele é também comemorado como santo, com a sua festa em 7 de janeiro.


(Imagem: iluminura bizantina, sem demais referências)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *